Salvador, Bahia

Praia do Forte, Bahia

«Guia Salvador     «Guia Fortaleza     «Guia Natal     «Guia João Pessoa     «Guia Recife
Reserva de Hoteis em Salvador
«Bahia     «Cultura
«Hoteis     «Restaurantes
«Praias     «Turismo

Praia do Forte, Costa dos Coqueiros, Bahia

«Salvador     «Praias     «Costa dos Coqueiros

A Praia do Forte ganhou esse nome em razão do Castelo Castelo Garcia D'Ávila, uma fortificação em ruínas construída no século XVI para garantir a posse portuguesa das terras recém-descobertas.

O destaque desse trecho de litoral são as piscinas naturais de Papa Gente, formadas pelos recifes junto à areia. As piscinas são de diversos tamanhos e profundidades, os pontos mais profundos cobrem um adulto - crianças requerem atenção redobrada; no Nordeste, essas piscinas encontram paralelo nos Parrachos de Maracajaú.

Perto da Papa Gente fica a base local projeto Tamar (Tartarugas Marinhas), um marco na história recente da região. O Tamar estuda e protege as espécies de tartarugas marinhas que escolhem o litoral norte baiano como local de desova.
Visitar o Tamar é um passeio educativo e interessante para quem se interessa pelo assunto.Além de uma variedade de tartarugas, os tanques do Tamar têm outras espécies marinhas, incluindo pequenos tubarões. A atração mais nova é o Yellow Submarine, um setor só com animais que vivem nas profundezas do mar.

O eixo principal do vilarejo da Praia do Forte é a Alameda do Sol, que concentra restaurantes e as principais lojas de lembrancinhas. A ruazinhas transversais (batizadas com nomes típicos, como Beco do Boneco Mole, Beco do Zéu e Beco de Dona Titico) escondem algumas jóias, como pequenas galerias de arte a céu aberto.

Praia do Forte Na Alameda do Sol fica também o restaurante mais famoso do lugar, o Terreiro Bahia, da chef Tereza Paim. No cardápio, os pratos clássicos da culinária baiana e receitas próprias, como o camarão com molho de cajá com arroz de coco ou o carré de cordeiro com molho de tamarindo mandioquinha.

Perto dali, está o Bar do Souza, point noturno de locais e turistas. Há quem vá lá apenas para beliscar o bolinho de peixe e provar as caipirinhas feitas com frutas da terra, dignos de nota. Mas a atração principal é mesmo o forró ao vivo nos fins de semana, que promove um verdadeiro intercâmbio cultural entre os caiçaras locais e os forasteiros, nacionais e estrangeiros.

Ecoturismo na Praia do Forte

Quem planeja uma viagem à Praia do Forte, às vezes não sabe que esse é um dos destinos do Brasil que oferece aos seus visitantes diversas opções de passeios de ecoturismo .
Há desde mergulhos pelas piscinas naturais da região até observação de pássaros. E com o aumento do número de pousadas mais que charmosas na vila , o viajante que quiser conforto não precisa se restringir aos resorts da área.

Não é por acaso que a Praia do Forte vem se tornando conhecida como a "Polinésia brasileira". Localizada na chamada Costa dos Coqueiros, a praia do litoral norte da Bahia chama atenção pela beleza natural e as águas cristalinas. Só a paisagem do lugar já vale a viagem.

A Praia do Forte guarda entre seus tesouros a Reserva de Sapiranga. Com 600 hectares de Mata Atlântica, é o local onde existe a maior concentração de passeios de aventura da região. Um deles é a expedição de canoa - motorizada - pelo Rio Pojuca, que faz ligação com o mar. Na Oka Porang, o turista que for corajoso pode se aventurar num salto de tirolesa, ou ainda fazer uma das muitas trilhas.

Para quem quiser se esforçar mais, uma opção interessante é a expedição pelo Rio Imbassaí, que fica na altura do vilarejo de Diogo, a 20 quilômetros da Praia do Forte pela Linha Verde - rodovia que liga a vila a Sergipe. Nesse passeio, o aventureiro rema cerca de 40 minutos numa canoa canadense para chegar à belíssima Praia de Imbassaí, muito mais calma que a Praia do Forte.

Para os que não curtem remar, a boa notícia é que existe outro caminho para a Praia do Imbassaí, bem mais tranquilo. É só seguir mais alguns quilômetros pela Linha Verde e entrar no Vilarejo de Santo Antonio, onde moram cerca de 30 famílias que vivem da pesca e do artesanato de palha produzido no local pelas mulheres da vila, descendentes dos índios tupinambás.

Já para aqueles que gostam de velocidade, uma opção é enfrentar um passeio de quadriciclo; as trilhas, que geralmente são percorridas dentro da Reserva de Sapiranga, costumam incluir uma visita ao Lago Aruá, onde é possível relaxar à beira do Rio, ou até o Castelo Garcia d'Ávila.



E claro, também aos ecoturistas não poderia faltar no roteiro o passeio pelas piscinas naturais da região, como as antes mencionadas Papa Gente.
Quem busca algo mais básico, pode apenas usar máscara de mergulho e snorkel, uma vez que as águas cristalinas permitem uma bela visão dos peixes supercoloridos mesmo na superfície; uma dica: o passeio somente pode ser feito na maré baixa, portanto fique atento à tábua de marés.

A Praia do Forte também é muito procurada por quem se interessa por pesca oceânica e observação de pássaros, que tem crescido no Brasil. A observação costumava ser praticada principalmente por estrangeiros, mas hoje em dia os brasileiros se interessam pelos pássaros tanto quanto os turistas de fora.

Além de seus passeios, a região é conhecida ainda pelos projetos de preservação ambiental, entre eles o Projeto Tamar, que luta para preservar as cinco espécies de tartarugas marinhas que circulam pelo litoral brasileiro. No local, o visitante aprende sobre a importância da preservação das tartarugas, e pode, inclusive, acompanhar a soltura dos filhotes no mar.

Outro projeto de preservação que fica na Praia do Forte é o Instituto Baleia Jubarte, que tem como objetivo proteger o mamífero que atualmente faz parte da lista oficial do Ibama de animais em extinção. Entre os meses de julho e novembro, os turistas podem fazer o passeio de observação das baleias, que ficam próximas à costa.

Leia mais: Praia do Forte; Carnaval na Praia do Forte.