Rio de Janeiro

Cristo Redentor - Corcovado

«Guia Rio de Janeiro     «Guia Salvador     «Guia Fortaleza     «Guia Natal     «Guia João Pessoa     «Guia Recife
Reserva de Hoteis no Rio de Janeiro
«Estado do Rio     «Cultura
«Hoteis     «Restaurantes
«Grandes Eventos     «Turismo

Estátua do Cristo - Rio de Janeiro

«Rio de Janeiro.
«Passeios no Rio de Janeiro.

A Estátua do Cristo Redentor, construída no topo do monte Corcovado, é certamente o ponto turístico mais conhecido do Rio de Janeiro e do Brasil.
Juntamente com o bondinho do Pão de Açúcar, constitui-se num dos programas imperdíveis para todos os turistas que vem ao Rio.

A beleza da vista a partir do alto do Corcovado tem pouco paralelo no mundo. A estátua em si é de uma imponência que impressiona a todos, por conta do tamanho e da força espiritual que transmite.

Junte-se a isso a grande facilidade de acesso, e o enorme número de agências de viagem que procuram atrair turistas para o Corcovado, e é fácil entender por que o Cristo é também um dos locais de maior concentração de turistas no Rio, tanto brasileiros como estrangeiros.

Acesso ao Cristo Redentor

Pode-se subir ao topo do Corcovado de duas formas: de trem ou de carro.

Pelo trem do Corcovado, a viagem leva vinte minutos.
Os trens partem a cada 30 minutos; preço da passagem: R$ 45, ida e volta (os bilhetes podem ser comprados pela internet).

De carro, percorre-se um trajeto de 6km até o estacionamento, onde os veículos devem ser deixados; do estacionamento, partem vans que rodam mais 5 minutos até o Cristo.
Preço da van: R$ 13, ida e volta.

Qualquer agência de viagem oferece transporte para o Corcovado, e qualquer hotel no Rio pode contactar essas agências.

História do Cristo Redentor

O morro foi batizado de Corcovado no século XVII, por conta de seu formato de corcova.

Projeto do Cristo Redentor

Em 1824, o Imperador D. Pedro I lidera a primeira expedição ao cume, abrindo assim a primeira trilha.
Em 1884, o Imperador D. Pedro II inaugura a linha de trem que dá acesso ao topo do Corcovado.

Em 1921, nos preparativos para a comemoração do Centenário da Independência, começou-se a planejar a construção de um grande monumento ao Cristo no Rio de Janeiro. Foram considerados também o Pão de Açúcar e o Morro de Santo Antônio, mas, por ser mais alto, o Corcovado foi o escolhido.
Em 1923, o projeto do engenheiro Heitor da Silva Costa foi ganhador de concurso público para o projeto do Crist. Em setembro do mesmo ano, foi organizada uma campanha nacional para arrecadação de fundos. As obras começaram em 1926.

A estátua do Cristo Redentor foi inaugurada em 12 de outubro de 1931.
O desenho final do Cristo foi obra do artista plástico Carlos Oswald, e a execução da escultura ficou sob responsabilidade do estatuário francês Paul Landowski.
Na inauguração, estiveram presentes autoridades do Brasil e do mundo, como o cardeal dom Sebastião Leme e o Presidente Getúlio Vargas, com todo o seu ministério.

Construção do Cristo Redentor

Em 1934, a União transfere o domínio da área do alto do Corcovado para a Igreja Católica; até hoje, é um grupo da Igreja (Mitra Arquiepiscopal do Rio de Janeiro) quem detém os direitos de uso da imagem da estátua do Cristo Redentor.
Em 1973, o Cristo foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico Nacional.
Em 1980, o Cristo foi reformado, para receber a visita do Papa João Paulo II.

Em 1990, é feita nova reforma no Cristo, dessa vez com a participação também da iniciativa privada (Rede Globo e Shell).
Em 2000, foi iniciado o Projeto Cristo Redentor, uma parceria entre a Fundação Roberto Marinho, Banco Real ABN AMRO Bank, Ibama, Arquidiocese e Prefeitura da Cidade - no ano seguinte, a Gerdau juntou-se ao grupo.
O Projeto Cristo Redentor não apenas reestruturou a estátua, mas também a sinalização, iluminação, acesso (implantação de elevadores e escadas rolantes), recuperação ambiental, etc.

Em 2003, em votação internacional, o Cristo foi escolhido uma das Maravilhas Modernas (ver registro oficial, em inglês).