Salvador, Bahia

Fortes de Salvador da Bahia

«Guia Salvador     «Guia Fortaleza     «Guia Natal     «Guia João Pessoa     «Guia Recife
Reserva de Hoteis em Salvador
«Bahia     «Cultura
«Hoteis     «Restaurantes
«Praias     «Turismo

Fortes de Salvador

«Salvador
«Bahia
«Recife Cultural

A cidade do Salvador nasceu sob o signo da defesa, eis que o primeiro objetivo colonizatório dos portugueses era assegurar a soberania sobre o território descoberto (ver História da Bahia).

Os Fortes eram os principais elementos do sistema de defesa da capital colonial do Brasil. As velhas trincheiras, baluartes e torres que ocupavam lugares estratégicos de defesa ganharam muralhas e baterias de canhões.

Alguns projetos nasceram da criatividade dos militares portugueses, outros foram desenhados por engenheiros militares das escolas italianas e francesas, contratados pelo governo colonial, e mostram o aproveitamento das condições naturais do terreno, não só para as necessidades de defesa, como também para o exercício da mais bela plasticidade.

Quando o primeiro Governador-Geral, Tomé de Souza, chegou à velha Vila do Porto da Barra, em 1549, o sítio para a sede da administração colonial portuguesa já estava escolhido. Cumprindo ordens de Rei D. João III, Tomé de Souza construiu a cidade-forte no local mais alto e protegido, cercado por pântanos quase intransponíveis e com vista sobre toda a Baía de Todos os Santos.

Os portugueses deram início à implantação de um sistema de defesa que iria evoluir até o século XVIII.
A primeira defesa militar construída foi uma grande muralha de taipa e barro, suficiente contra as flechas dos índios.
Posteriormente, a muralha foi ampliada e reforçada com pedra e cal, ganhando baluartes no lado de frente para o mar (por onde se aproximavam os corsários) e torres encasteladas nas portas voltadas para o São Bento e o Carmo.

No século XVII, a velha muralha deu lugar a um eficiente sistema de defesa em profundidade, com trincheiras, muralhas e fortificações, construídas em lugares estratégicos e armadas de acordo com a evolução da arte da guerra.

Na início do século XVII, a ameaça de uma grande invasão estrangeira levou ao aumento do número de posições fortificadas em Salvador.
Na época, a linha de defesa, formada pelos Fortes de Santo Antônio da Barra, do Mar (hoje São Marcelo), de Santo Alberto, de Nossa Senhora do Mont Serrat e de Itapagipe, e pela bateria de fortificações da Ribeira das Naus, já era estruturada o suficiente para impressionar os invasores.

Em 1624, esse sistema de defesa organizou uma heróica resistência contra os holandeses, mas foi vencido pela grande superioridade do inimigo.
Com a reconquista de Salvador pelos portugueses e espanhóis, um ano depois, o sistema de defesa foi retomado e novos Fortes construídos, enquanto outros eram recuperados e ampliados.

Isso permitiu à cidade repelir, em 1638, o novo ataque da poderosa armada holandesa sob o comando do príncipe Maurício de Nassau (que já havia tomado Recife); essa vitória quebrou o mito da invencibilidade holandesa e fez nascer a mística da Indomável Salvador.

Forte de Sao Diogo, Salvador

Forte de São Diogo

É interessante observar que cada Forte tinha um patrono, a maioria deles santos masculinos, sendo os de Santa Maria e de Nossa Senhora de Mont Serrat algumas das exceções.
Uma curiosidade: Santo Antônio foi nomeado militar com a patente de capitão, o que permitiu que a ordem religiosa do Santo recebesse um soldo; na hierarquia militar Santo Antônio foi promovido até o posto de tenente-coronel.

Fortes do sistema de defesa de Salvador no século XVIII:
» Forte de São Diogo. Porto da Barra. Ao abrirmos as portas do Forte de São Diogo temos uma emocionante surpresa: a visão maravilhosa da bela imagem marinha da Baía de Todos os Santos, com a ilha de Itaparica no horizonte, uma paisagem eternamente guardada pelo forte. Mais que uma atração histórica, que guarda um visual exclusivo da Baía de Todos os Santos, esse Forte é um importante centro de atividades e de lazer, contando com uma programação cultural e turística com shows e audiovisuais.
» Forte de São Pedro. Rua do Forte de São Pedro. Foi no forte de São Pedro que, pela primeira vez, se rebelaram os militares brasileiros contra o governo colonial português, em 1822, iniciando a guerra pela independência do Brasil.
» Forte de Santo Alberto. Av. Jiquitaia. Com a vitória dos brasileiros em 1823, às 4 horas da manhã de 2 de julho, o mais potente canhão do Forte de Santo Alberto dá o último tiro da Guerra da Independência, autorizando o embarque do governador deposto, coronel Madeira de Mello, e sua armada para Portugal. Este Forte depois da independência ficou conhecido como o "Forte da Largatixa".
» Forte de Nossa Senhora de Mont Serrat. Rua Santa Rita Durão. Conta a lenda que, um dia, estando o presidente da Província inspecionando o Forte, sugeriu ao seu comandante fundir os velhos canhões em peças novas, no que foi prontamente interpelado sobre a que horas do dia Sua Excelência almoçaria, pois desejava mandar um queijo de sobremesa. Ao meio-dia em ponto, como era tradição, o comandante do Forte de Nossa Senhora de Mont Serrat dava o tiro do seu mais velho canhão. Mas dessa vez "o queijo" foi se espetar na parede do Palácio do Governo.
» Forte de Santo Antônio da Barra. Largo do Farol.
» Forte de Santa Maria. Av. Getúlio Vargas.
» Forte São Paulo da Gamboa. Gamboa de Baixo.
» Forte São Marcelo. Baía de Todos os Santos.
» Forte do Barbalho. Rua Aristídes Ático.
» Forte de Santo Antônio Além do Carmo. Praça Barão do Triunfo.
» Reduto do Rio Vermelho. Rio Vermelho.

Veja também essa excelente página (com fotos e informações) sobre os Fortes de Salvador.